terça-feira, 23 de agosto de 2016

PARTIDOS DOAM MILHÕES A CANDIDATOS A PREFEITO

Na largada da primeira campanha municipal com proibição de doações de empresas, os partidos abriram os cofres para socorrer os candidatos. As primeiras prestações de contas publicadas pelo Tribunal Superior Eleitoral mostram que as direções nacionais e estaduais das legendas distribuíram 16,6 milhões de reais em recursos públicos, oriundos do Fundo Partidário, a 220 candidatos a prefeito e a vereador.
Essa distribuição foi altamente concentrada: apenas 23 candidatos receberam 3 de cada 4 reais do dinheiro que saiu do Fundo Partidário. Com recursos limitados, as siglas estão canalizando as doações para os candidatos que consideram mais importantes, ou que têm mais chances de vencer. O poder nas máquinas partidárias também influencia na distribuição das verbas: detentores de cargos eletivos, como deputados e candidatos à reeleição, praticamente monopolizam os recursos do fundo.
No ranking dos doadores, o PRB aparece em primeiro lugar, com 3,758 milhões de reais. A maior parte desse dinheiro foi direcionada para seus candidatos no Rio de Janeiro e São Paulo, respectivamente Marcello Crivella (1,145 milhão de reais) e Celso Russomanno (750.000 reais) – candidato que lidera as pesquisas de intenção de voto na capital paulista.

ACM NETO SERÁ ELEITO NO PRIMEIRO TURNO EM SALVADOR NA BAHIA

Após a primeira semana de campanha eleitoral, o atual prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), lidera as intenções de voto e poderia ser reeleito no primeiro turno, revela pesquisa Ibope divulgada nesta segunda-feira.
ACM Neto tem 68% das intenções de voto. A segunda colocada, Alice Portugal (PCdoB), reúne 8%. O terceiro é o Pastor Sargento Isidório (PDT), com 6%. Os candidatos do PSOL, Fábio Nogueira, e do PRTB, Rogério da Luz, possuem 1% cada. A atual vice-prefeita, Célia Sacramento (PPL), e o ex-secretário municipal Cláudio Silva (PP), não pontuaram.
Ao todo, 13% dos entrevistados pelo Ibope responderam que votariam em branco ou nulo. Outros 3% não sabiam em que votar ou não responderam.
A administração de ACM Neto é considerada ótima ou boa por 71% dos eleitores; 23% acham a gestão regular; e 5%, ruim ou péssima. Apenas 1% não respondeu.
Rejeição – Os eleitores também foram instados a responder sobre em quem não votariam de jeito nenhum. ACM Neto tem o menor nível de rejeição: apenas 13%. O líder no quesito é o candidato do PRTB, Rogério da Luz, com 48%, seguido de Pastor Isidório, com 41%. Alice Portugal tem 24% de rejeição, dois pontos a mais que Cláudio Silva, com 22%. O sociólogo Fábio Nogueira (PSOL) tem 21%, e a vice-prefeita Célia Sacramento, 17%.
A pesquisa foi encomendada pela TV Bahia, afiliada da TV Globo, e realizada com  602 eleitores entre os dias 18 e 21 de agosto. A margem de erro é de quatro pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. O número de registro do levantamento na Justiça Eleitoral é 02257/2016 (TRE-BA)

EX DEPUTADO ESTÁ FALIDO E PRESO EM CURITIBA

O ex-deputado Luiz Argôlo (SD-BA), acusado de participação em esquema de corrupção da Petrobras, diz que vai exercer o direito de ficar calado (Foto: Gisele Pimenta /Frame / Agência O Globo)
O ex-deputado federal Luiz Argôlo ainda está preso em regime fechado porque não pagou uma multa de R$ 1,5 milhão. Ele alega estar falido. Para provar, até anexou ao processo uma lista de dívidas, que inclui calotes em contas de telefone e uma dívida de quase R$ 170 mil

MORRE GENETON DE MORAES UM DOS MELHORES JORNALISTA DO BRASIL

Zé Paulo Cardeal/TV GLOBO

Morreu na noite desta segunda-feira (22/8), no Rio de Janeiro, o jornalista Geneton Moraes Neto, aos 60 anos de idade. Geneton sofreu um aneurisma da aorta em maio. Ele deixa mulher, duas filhas e netos. Em julho, Geneton foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Clínica São Vicente, na Zona Sul do Rio de Janeiro e precisava de doação de sangue. No Twitter, amigos como Xico Sá, Miriam Leitão e Alberto Villas reforçaram o pedido de doação.

O pernambucano Geneton Moraes Neto era um grande entusiasta do jornalismo em todas as suas formas. Gostava de dizer que era uma excelente profissão para quem não conseguiu ser outra coisa na vida. Em entrevista ao Correio, em fevereiro de 2013, brincou que pertencia ao PPB, o Partido dos Perguntadores do Brasil. “Sem pretensões, sem delírios megalomaníacos (tão comuns em jornalistas) penso que posso, como jornalista, dar uma contribuição mínima ao meu país: fazer do jornalismo que pratico uma fonte de produção de memória”, disse. Para ele, o jornalismo contemporâneo sofria uma ditadura da objetividade e era necessário recuperar uma certa qualidade de texto e deixar de lado a burocracia. “O jornalismo brasileiro precisa levar um choque de jornalismo”, disse

DEFESA DE DILMA FALARÁ À SOCIEDADE AO SENADO E À HISTÓRIA

Andressa Anholete/AFP

Brasília, Brasil - José Eduardo Cardozo foi ministro da Justiça, deputado e vereador. Mas voltou, este ano, à advocacia para se ocupar de um caso que qualifica como "complexo": defender a presidente Dilma Rousseff no processo de impeachment. O julgamento começa na quinta-feira, 25 de agosto, e poucos dias depois o Senado votará se Dilma, afastada em maio, continua no cargo, ou não.

Em meio à crise econômica, sinais de esgotamento da esquerda após quatro mandatos consecutivos e um monumental escândalo de corrupção na Petrobras alimentaram um movimento no Congresso para pôr fim a seu mandato. E levaram Cardozo ao início de sua carreira. Aos 57 anos, ele prepara o caso em um apartamento de Brasília que tem a mesa coberta de volumosos livros de Direito. Foi onde o ex-ministro recebeu a AFP, depois de se reunir com Dilma Rousseff para discutir as alegações que a própria presidente apresentará no Senado.

FORNECEDORES DE FACHADA ABASTECERAM CAMPANHA DE DILMA

  Bruno Peres/CB/D.A Press - 10/06/2014

Técnicos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entregaram nesta segunda-feira (22/8) a perícia realizada sobre documentos de empresas que prestaram serviços à campanha eleitoral que elegeu a presidente afastada Dilma Rousseff e o presidente em exercício Michel Temer, em 2014. Os peritos identificaram irregularidades nas contratações. A suspeita da Justiça Eleitoral é de que as firmas sejam empresas de fachada.

Com o fim da fase de perícia, a relatora do caso, ministra Maria Thereza de Assis Moura, já agendou os depoimentos das testemunhas. Segundo o laudo dos peritos, três empresas não apresentaram documentos capazes de comprovar que, efetivamente, prestaram serviços no valor pago pela campanha presidencial. As empresas que se encontram nessa situação são a gráfica VTPB, a Red Seg Gráfica e Editora e a Focal.

Os técnicos apontaram que uma quarta empresa que teve os documentos analisados, a Gráfica Atitude, não foi contratada pela campanha. A Gráfica Atitude é suspeita de ter sido usada para captar propinas para o PT, segundo investigações da Operação Lava-Jato