quinta-feira, 27 de julho de 2017

PRISÃO DE PUBLICITÁRIO ASSUSTA POLÍTICOS DO P.T. E PMDB

Delubio Soares (Centro), ex-tesoureiro do PT (Foto:  Joel Rodrigues/Folhapress)
A prisão do publicitário André Gustavo Vieira da Silva, alvo da Operação Cobra, 42ª fase da Lava Jato deflagrada pela Polícia Federal, assusta políticos do PT e do PMDB. Vieira da Silva é compadre do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, enrolado no Mensalão e no Petrolão. O publicitário ganhou projeção e contratos durante o mandado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Vieira da Silva mantém ligações também com caciques do PMDB

PREFEITO DE SÃO PAULO QUER MANTER ALIANÇA COM O DEM

  Luis Nova/Esp. CB/D.A Press - 28/06/2017


Em visita oficial à China, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que se esforçará pessoalmente para manter a aliança de seu partido com o DEM, sigla do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ). Nesta quarta-feira (26/7) Maia disse ao portal "Poder 360" que seu partido não apoiaria os tucanos nas eleições presidenciais do ano que vem em entrevista.

"Nós temos uma parceria histórica com o DEM e eu vou pessoalmente trabalhar para que esta parceria se mantenha. O DEM mantém essa relação política institucional não só no processo eleitoral como também na gestão", disse Doria, referindo-se a seu próprio governo. 


"Em São Paulo, são nossos parceiros no plano municipal e no plano estadual. E funcionam magistralmente bem, na cooperação com pessoas e áreas de atuação onde eles são muito contributivos", disse. "Creio que a melhor alternativa para os dois seria manter essa parceria nos próximos anos", completou o prefeito

RELATOR DA LAVA JATO QUER JULGAR POLÍTICOS EM 2017

 Lula Marques/AGPT/Fotos Públicas - 21/06/2017
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin manteve os trabalhos em seu gabinete durante o recesso do Judiciário para tentar viabilizar julgamentos de ações penais da Lava-Jato - operação da qual é relator na Corte - neste ano. Três processos estão em fase mais avançada e envolvem a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e os deputados federais Nelson Meurer (PP-PR) e Aníbal Gomes (PMDB-CE).

Após quase três anos e meio das investigações que começaram em Curitiba e se espalharam por todo o país, essas serão as primeiras sentenças no Supremo de políticos com foro privilegiado acusados de envolvimento no esquema de desvios e corrupção na Petrobrás.

Durante este mês, os três juízes auxiliares do ministro-relator se revezaram para tomar depoimentos de testemunhas. A perspectiva é concluir as audiências desses processos até o fim de agosto. O passo seguinte são os interrogatórios dos réus

MINISTRO DA FAZENDA LUCRA MILHÕES COM CONSULTORIA

  Sergio Lima/ AFP -  26/07/2017
 Comissão de Ética da Presidência da República já havia analisado, em agosto e setembro de 2016, uma consulta feita pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em relação a um possível conflito de interesses ou problemas éticos em relação ao cargo que ocupa e as atividades da consultoria HM&A, que possuía antes de assumir o ministério. A conclusão do colegiado nas três consultas feitas por Meirelles foi de que não houve qualquer infração.


De acordo com o site de notícias BuzzFeed, Meirelles teria recebido, três meses antes de assumir a pasta, R$ 167 milhões em contas que ele mantinha no exterior, nas quais eram depositados pagamentos de serviços de consultoria prestados a grandes empresas, entre elas a holding J&F, de Joesley Batista. Segundo a publicação, o ministro teria recebido, ainda, outros R$ 50 milhões quatro meses depois de ter chegado ao comando da Fazenda, referentes, segundo nota do ministro, a serviços prestados antes de assumir o cargo. As informações constam de documentos públicos produzidos pela própria empresa de Meirelles, que foram registrados na Junta Comercial de São Paulo e obtidos pelo BuzzFeed.

Ainda segundo o site, as duas transações foram feitas para Meirelles a partir das contas da empresa de consultoria dele, cujo nome atual é HM&A. Nos dois casos, o objeto da empresa, até aquele momento, era assessorar grandes empresários, dar palestras e fazer investimentos.

Em nota enviada, Meirelles esclareceu que sua empresa distribuiu dividendos em 2016 referentes aos lucros acumulados entre 2012 e 2015 e que os balanços foram auditados pela PwC. Além disso, disse que a receita da HM&A durante o período de 2012 a 2015 foi consistente com a distribuição de dividendos feita em 2016. "Todos os valores foram declarados à Receita Federal e aos demais órgãos competentes e os tributos municipais e federais devidos foram pagos", afirma o texto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

CAI A APROVAÇÃO DO PRESIDENTE MICHEL TEMER

Evaristo Sa / AFP - 27/7/2017
A aprovação do governo do presidente Michel Temer caiu de 10% para 5% entre março e julho deste ano, segundo pesquisa Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e divulgada nesta quinta-feira (27/7). Já a avaliação negativa do governo aumentou para 70%. No levantamento anterior, divulgado há cerca de quatro meses, o porcentual dos que avaliavam o governo como ruim ou péssimo era de 55%.

A parcela que considera o governo regular caiu para 21% em março, ante 31% na última pesquisa. Os que não souberam ou não responderam sobre a avaliação do governo representaram 3% dos entrevistados

EX PRESIDENTE DO BANCO DO BRASIL É PRESO PELA LAVA JATO

Divulgação Agência Petrobras
Ao justificar a ação da 42ª fase da Operação Lava-Jato, que prendeu o ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras Aldemir Bendine, o procurador da República Athayde Ribeiro Costa disse ser "incrível" topar com evidências que, mesmo com a Lava-Jato já em "estágio avançado", criminosos tiveram a "audácia" de continuar com o esquema de corrupção. "São a prova viva de que a prisão é necessária para frear o ímpeto criminoso de um esquema que vem desviando bilhões há mais de décadas", disse o procurador em nota.

Nesta manhã de quinta-feira (27/7), Aldemir Bendine foi preso temporariamente na Operação Cobra, nome dado à nova fase da Lava-Jato, uma referência ao codinome usado por Bendine nas planilhas da Odebrecht. Ele estava em uma residência em Sorocaba, em São Paulo. Os irmãos André Gustavo Vieira da Silva e Antônio Carlos Vieira da Silva Júnior, sócios em uma agência de publicidade, a Arcos Propaganda, que estavam no Recife, também foram presos. Os três são suspeitos de operacionalizarem o recebimento de R$ 3 milhões de reais em propinas pagas pela Odebrecht em favor do ex-presidente da Petrobras